O que eu aprendi com Star Trek?

18.8.17

E aí pessoas! Tudo beeem?

Hoje eu resolvi falar sobre uma série que eu nunca imaginei que veria: Star Trek. Confesso que antes de conhecê-la, eu achava que Star Wars e Star Trek eram a mesma coisa, pra início de conversa #mico (perdão fãs de ambas), mas isso foi porque eu nunca havia me interessado em assistir a nenhuma. Achava que se tratava de uma série bobinha, vazia e sem atrativo algum... (eita que o pré-julgamento é feio mesmo, né! #vergonha). Logo eu, a defensora do “vamos conhecer primeiro para, depois, tirar conclusões”. Enfim, como ser humano que sou, julguei e tomei na cara! (tóin!)

Eis que surgiu o grande dia em que meu namorado me convenceu a assistir (estamos falando aqui de Star Trek: a nova geração), me dizendo que era legal e talz, que tinham várias reflexões bacanas e passava uma ideia boa para a galera que assistia. Eu pensei: será? Tá, vamos ver qualé-qui-é. Vai que... né? Então tá! Vamos lá. Edredon, pipoca, Netflix. Ok. Tá, é possível suportar assistir com todos os adicionais que terão (comida, conforto, mozão). Aperta o play, amor! 

Começou. Daí fui assistindo um capítulo, dois, cinco. Toda a 1ª temporada. Bora pra 2ª! E 3ª, 4ª... Caramba, já estamos na 7ª temporada. É A ÚLTIMA, VOU CHORAR!!! #desespero. E a sensação é de tristeza mesmo, porque, amiguinhxs, a série é FE-NO-ME-NAL (ok. Pode ser um sentimento meio hiperbolizado de fã. Mas é!). Ela tem muita aventura, ficção (me pergunto, até onde tudo aquilo é ficção???), novos mundos, raças, sabedoria... Enfim! Tomei bem no meio da cara (plaft!) com o julgamento desnecessário e irresponsável ao opinar sobre algo que eu nem conhecia (que ingenuidade e petulância a minha! Aprendizados...). 

O que mais me fascinou no Star Trek foi tamanha tecnologia empregada na série. E, também, a vanguarda dos autores. Para ser beeeem sincera, eu acredito que eles tiveram informações privilegiadas sobre alguns mecanismos de tecnologia vindos de inteligências mais avançadas (sim, eu acredito em extraterrestres, velocidade de dobra, tele transporte e todos esses conceitos futuristas que ainda não tivemos – nós, reles mortais, né? – acesso, mas que existem já! Disso eu não tenho dúvidas!) que foram compartilhadas (por livre espontânea vontade, ou não!) com alguns poucos privilegiados no mundo da ciência ou sei lá de onde (NASA da vida e esses outros caras, sacam?). 

Além desse fascínio, o meu encantamento se deu pela ideia de ter uma Federação de Planetas Unidos, responsável por explorar o Universo e manter a paz entre os infindáveis mundos descobertos. E a vida, as diferenças, as diversas culturas são exaltadas com muito respeito e sabedoria. Vemos na série bandeiras levantadas pela igualdade entre os gêneros, raças, povos. E sobre a Primeira Diretriz??? Que defende toda e qualquer forma de vida e a não interferência em outras culturas e civilizações, que ainda não se encontram prontas para saber da existência de toda essa tecnologia e realidade já descobertas. (tipo a Terra, né mores) 

Nesse futuro apresentado na Star Trek, não é mais o dinheiro que determina a vida das pessoas, mas a igualdade, a coletividade, a preservação do meio ambiente, a busca por novas tecnologias que agreguem, unem e melhoram o bem estar de TODXS. Claro que, em alguns momentos coisas ruins ocorrem, mas isso é necessário para que visualizemos o quanto o lado ruim dos seres é ruim mesmo!  Ainda que a parte que julgamos "ruim" em nós e em nossos semelhantes, seja necessária para a evolução e aprendizado dos seres... E o que dizer do sintetizador que pode fazer toda a sua comida, bebidas e qualquer outra coisa que tenha um modelo inserido na memória dos paranauê da Enterprise??? (jááá procurei no Mercado Livre e não-tem! #choray)

Tá, mas vou parando por aqui, porque se não já viram, né? Vou até a data estelar quatro, sete, nove, oito, oito ponto 1 (47988.1), de tanto que é bom falar desse trem, tchê! Maaaaas, o que eu aprendi, afinal, com a série? Tantas coisas... Mas, primeiramente, que não devemos adiantar opiniões sem antes conhecer a coisa toda (droga, eu achava que já tinha aprendido isso =/), segundamente, reforcei a minha ideia de que somos um grão de areia na imensidão do Universo e seria muita arrogância de nossa parte acreditar que somos únicos e o centro dele! Em terceiro lugar, mas não menos importante, que precisamos evoluir muito até chegar ao patamar de vivermos em prol do coletivo, trabalhando pelo bem comum da humanidade e do planeta... Porém, eu não perco minhas esperanças... Ao contrário! A caminhada é longa, mas a série só me fez acreditar, ainda mais, que um futuro muito mais próspero, harmonioso e do bem chegará para todos nós! #vaiplaneta

Ainda não sei como conseguirei ficar sem o frisson de começar a assistir cada novo capítulo... #vidaqueseguemermão =( 

Conselheira Deanna Troi, Dra Berverly Crusher, Tenente Geordi La Forge, Comandante Data Capitão Jean-Luc Picard, Imediato William Riker, Tenente Worf, Tenente Yar, Guinan, Alferes Wesley Crusher: vocês e os representantes de cada raça ficam em meu coração... OBRIGADA! Só tô na dúvida se os Cardassianos, Ferengis e os Borg ("resistir é inútil", o caramba! Ninguém vai me assimilar! Coletividade tem limite, meu amigo. Humpf!) também entram no meu sentimentalismo... Num sei. Pensando aqui... #relexãoprofunda

PAZ E VIDA LONGA... 
VIDA LONGA E PRÓSPERA...
ACIONAR!


Nenhum comentário:

Curtiu? Não curtiu?
Então comenta aqui!

Tecnologia do Blogger.